Locais de Convivência

Áreas de uso coletivo do Casarão – contam-se sete ambientes conjugados e dispostos em vários patamares:

Mezanino com aparelhagem de multimídia, som analógico e instrumentos musicais, esteiras, redes de armar, estantes com revistas dentro da temática vivencial e cujo acesso se faz por escada de aroeira espiralada; ao lado deste ambiente há uma biblioteca com volumes abordando várias áreas de conhecimento (literatura de ficção, poesia, filosofia, política, economia, artes, meio ambiente – com destaque para a gestão de recursos hídricos, literatura esotérica e cujo uso pode ser solicitado), além dos aposentos dos gestores (restritos ao uso privativo desses) e jardim suspenso ao lado do rego de água que se projeta na cascatinha do olho d’água de Nanã. 

Salas de estar e encontros com móveis rústicos compostas por vários ambientes funcionais integrados, como o Salão do Encontro com suas toras de eucalipto roliço auto-clavado e a Sala Athos Bulcão composta por conjunto de móveis de aroeira bruta e almofadões de tear, emoldurada por estante de dormentes de trem-de-ferro com objetos escultóricos e gravuras do consagrado Athos Bulcão e artistas de movimentos pela natureza.

Arena para o bate-papo com almofadões e piso rebaixado revestido de pedra, lareira com caldeirão para umidificação na qual utilizam-se toras de madeira reciclada e chaminé integrada com fogão a lenha com dispositivo de banho-maria para manutenção dos alimentos aquecidos.

Mesas rústicas na varanda; mesa de moenda com dormentes de aroeira; mesa de taboão corrido com bancos altos;  conjunto de sofás e mesa de jantar no estar intermediário (Canto dos Italianos) entre os ambientes de encontro e os quartos do Grupo Vivencial; mesa de pedra ardósia adjunta a cozinha apropriada para o cafe da manhã ao ar livre e mesas na casa de assar (duas).   

Cozinha rústica com  ventilação, exaustão, iluminação solar, painel de vidro colorido, fogão industrial, contendo mesas e aparadores de granito para a preparação de alimentos. Conjunto de 6 pias coletivas para exercitar a prática sustentável do “cada um lava seu prato”. 

Sauna com dois ambientes e câmara de separação para relaxamento e purificação, dotada de duchas e chuveiro para banhos de ervas.  

No segundo andar do Casarão, dispõe-se de amplo Salão, “Centro de Vivências das Araras Amarelas e Azuis” com área aproximada de 140 m2, com janelões (e toldos) amplos pelos quais descortina-se a exuberante vegetação ao redor. Está dotado com dois banheiros completos e aparador com estrutura de copa.

Há o nicho de multimídia, telão e quadros de escrever, mesas e bancos escolásticos,  espaço para distribuição de cadeiras ou de colchonetes, espaços esses separados por treliça e cobertos com telhas transparentes propiciando a iluminação natural com a luz solar, além de ornados por trepadeiras internas imbricadas com a exuberante vegetação ao redor. Esses espaços podem ser modificados com grades de separação, tapetes de união e colocação de cadeiras para anfiteatro, adaptando-se consoante a demanda para múltiplos usos simultâneos.

Conta ainda com um consultório dotado de maca para práticas de massoterapia ayurvédica, acupuntura e demais práticas antiestresse, mesa terapêutica, sofás de trabalho, aparelho de musculação, pilates e sótão para guarda de colchonetes. 

Espaço com escada rústica para mirante com visão dos arredores da Reserva e para observação celeste noturna.

O acesso do Salão de Vivências é garantido por três escadas, tanto convencionais, com rampas de acessibilidade (catracas) e escada em espiral viabilizando o acesso externo independente do Casarão, como escada “rapel Santos Dumont”, para acesso aos dormitórios internos.

O Chalé Suave Alegria está localizado ao longo da Alameda da Reserva, possui infra-estrutura completa e independente. Dispõe de salas e dispositivos para reuniões, mesas para refeitórios ao ar livre, Praça da Acolhida para grupos escolares participantes de programas de turismo pedagógico e onde se tem o início e a conclusão das trilhas das Araras Canindés no meio ambiente natural (trilha azul) e construído (trilha amarela). É assim o ponto de apoio para as atividades do ” Campo Escoteiro Educador Manoel de Almeida ” e que, além de espaços adequados e pontos de luz para a montagem de barracas e traillers, possui  dependências com suíte e banheiros coletivos, cozinha completa, lavanderia coletiva, duchas ao ar livre  e churrasqueira. Possui ainda sistema de captação de água de chuva para reservação e distribuição local e do Casarão. Estão associadas ao camping as mandalas de tijolos e de pedras com fogueira, onde podem se realizadas as cerimônias de danças circulares e do Fogo do Conselho.  No caso de haver preferência pelos Escoteiros de montagem de barracas em áreas menos providas de árvores há a opção de duas áreas por trás do Ofurô e da Casa do Sol e da Lua, conforme assinalado no Mapa Interno das Trilhas das Araras Canindés.

A Oficina de Artes e Ofícios é dotada de banheiro completo e de aparelhamentos e máquinas para processamento de rações, mecânica, solda, pintura, serralheira, marcenaria, carpintaria, eletricidade, hidráulica, adequada assim, também, para instalações de artes plásticas, esculturas de pedra, metal, madeira e artesanato. 

No ambiente externo da Reserva ChakraGrisu : 

Olho d’água de Nanã para celebração da água. A piscina possui sistema de filtragem e cascata aquecida em placas solares que jorra do segundo andar e é revestida de ladrilhos azuis.  É abastecida por canaletas com água de chuva e na seca por poço amazonas,  promovendo-se re-uso em bases ecológicas.

Mandala de Tijolos, construída segundo uma concepção do “Big Bang”, onde são realizadas atividades de celebração da natureza, do elemento terra, com ênfase, nas primeiras horas da manhã, no Tai-chi-chuan e mais tarde nas danças folclóricas, nas rodas de catira e nas rodas sagradas.

Mandala de Pedra em gramado,  para prática de trabalhos de celebração do elemento fogo transformador e para o Fogo do Conselho dos Grupos Escoteiros.  

Quiosque do João do Barro para artes oleiras com torno  e para atividades de escultura em pedra e madeira.

Campo Poliesportivo Professora Márcia de Sousa para práticas de futebol, vôlei, tênis, peteca, handball, basquete; para a prática de exercícios psicofísicos com grande movimentação, para festas ao ar livre e reuniões comunitárias que envolvam maior números de pessoas;

Nicho do Ofurô, contendo barrica japonesa de madeira para 7 pessoas de cada vez, contornada por deck de madeira e ambiente vedado com tapume de bambus, segundo proposta de paisagismo para acolhimento com privacidade, contendo caminhos de acesso e pedras de delimitação do espaço, destinada a práticas de relaxamento coletivo, banhos de flores e rituais de transcendência/transe ; é aquecida com placas solares e o patamar de temperatura ideal é completada com mergulhões elétricos.

Parquinho Infantil da Tia Flor delimitado com aramado, contendo brinquedos diferenciados e criativos, construídos a partir de toras coloridas de madeira de eucalipto auto-clavado (madeira ecológica).

Nicho-capela – protegido com pedra, para prática de celebração ecumênica e meditação.

Casa de Assar, dotada de equipamentos de Churrasqueira Vegetariana, Forno à Lenha, para quitandas, pães e pizzas e defumador, equipada com mesas, fogão e geladeira e com dois ambientes sob cobertura  de telha e de material transparente, arvores e trepadeiras. 

Orquidário, com coleção de orquídeas distribuídas em ambiente de cerrado protegido.

Áreas de Compostagem e Minhocário para produção de húmus.

Área para acendimento de Fogueira de São Joao e festejos tradicionais juninos e julinos.

Nichos de vivência e sítios de convivência com poltronas de pranchões de aroeira e jacarandá, distribuído pelos espaços adjacentes às mandalas e áreas do pomar, para o descanso, leitura e bate-papo de grupos menores (Jatobá, Marolo, Pau Terra, Pequi).

Bosque da Reserva, com trilhas diversas demarcadas com sinalização e marcadores azuis, anfiteatro do Olho de Ísis, adotado como espaço de reflexão e observação da fauna; Obelisco Celta e Escultura do Arcanjo Gabriel, Aguadas do Poço do Baco das Araras Canindés, para umidificaçao ambiental e dessedentação da fauna, abastecidas por tubulação subterrânea a partir do Catavento Girassol.

Bosque Frutífero consorciado ou permaculturado com o Cerrado.

Horta Ecológica e Fitoterápica para práticas em oficinas de educação ambiental, com laguinho de irrigação do Seu Zé e Estufa para produção de olericulturas no período chuvoso.

Barracão com Poleiros para avicultura e Canil confortável e cercado de solta para os cães de guarda noturna (filas treinados).

Estacionamentos do Casarão (inclusive com vagas para idosos e portadores de dificuldades), Chaléo  e do Pomar (área de camping) e vaga para recuo, estacionamento e manobra de ônibus escolares (a guarita do portão de correr principal permite o acesso de viaturas com até 4,20 m de altura, permitindo assim o ingresso de ônibus adotados em viagens interestaduais).

Área da Reserva de Patrimônio Natural – RPPN ChakraGrisu – santuário ecológico do Cerrado para a observação respeitosa – é uma das menores reservas de patrimônio natural homologadas pelo IBAMA no Brasil e a primeira reconhecida no Distrito Federal. 

Nas Proximidades da Reserva ChakraGrisu registramos: Morro Capelinha (Semana Santa) e Cidade Histórica de Planaltina tombada pelo patrimônio histórico (marco histórico da Missão Crulz), Cachoeira do Morumbi, Cachoeira de Lindóia,  Sistema Lagunar/Veredas e Mirante da Estação Ecológica de Águas Emendadas (Lagoa Bonita).

Rodovia DF 205, km 48/49 – Quintas do Vale Verde – Planaltina/DF • contato@chakragrisu.org • (61) 9975.5283 e 9972.5283
© 2014 - Todos os direitos reservados.
Reserva ChakraGrisu - Reserva Particular do Patrimônio Natural